FAMÍLIA E VIOLÊNCIA: OS EFEITOS DE UMA EDUCAÇÃO AUTORITÁRIA

Márcia Cristina Lazzari

Resumo


Este artigo trás uma análise a respeito da violência praticada contra crianças desde a tenra idade e também contra adolescentes, levando em conta dados e informações obtidas junto ao Conselho Tutelar, durante uma pesquisa de mestrado, e também mediante outras informações relevantes, obtidas por meio de sites e boletins publicados nos últimos anos, abordando o tema. Objetiva-se contextualizar as questões relativas às práticas de violência contra crianças, tendo como mote examiná-las principalmente no contexto familiar, onde normalmente esta conduta agressiva está associada ao ato de educar. Deve-se levar em conta os padrões de comportamentos ligados a sociabilidade autoritária (educação e punição), que permeia o cotidiano das pessoas em geral e que, no caso das crianças, encontra-se presente nas principais instituições onde elas permanecem o maior tempo de sua infância e adolescência: a família e a escola. Como estratégia de análise salienta-se o papel do Estado à frente da violência contra crianças e jovens, objetivando pontuar como as práticas violentas sobrevivem e convivem com o sistema de punição dos agressores (violentadores) e como podemos atuar na prevenção e interrupção dessas violências. A metodologia empregada neste artigo foi descritiva/analítica, de cunho bibliográfico, por meio da utilização de livros, artigos científicos e eletrônicos, documentos e dados retirados dos sites governamentais.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

ISSN: 1679-9844 
  

 This work is licensed under a Creative Commons License Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.